“A chegada de um bebê traz consigo muitas mudanças e desafios que podem acarretar um desgaste físico e psicológico nos pais. Tudo isto pode ser minimizado com apoio e informações claras e direcionadas”, explica a enfermeira Pryscila Bernardo Kiehl, do Hospital Isrealita Albert Einstein.”
“O cérebro dos bebês faz novas conexões cerebrais em uma velocidade muito alta. Desde o nascimento, todas as suas interações com o ambiente influenciam no desenvolvimento cerebral e vão determinar como a criança vai crescer a partir dos estímulos que recebeu desde recém nascida. Fora o ambiente, as pessoas que interagem com essa criança são o mais importante na vida dela”
  • Jack P. Shonkoff , Diretor do Center on the Developing Child, Harvard – Estados Unidos, em fala no filme, O Começo da Vida.
É o comecinho da vida, período da gestação até os seis anos de idade, que influencia a trajetória da criança. Ou seja, a primeira infância é o período decisivo. Investir no cuidado e na educação, garantindo pleno desenvolvimento na primeira infância, é base de todas as demais competências para uma vida digna que a criança precisa para ser um futuro cidadão, consciente de seus direitos e deveres e a melhor e mais eficaz forma de fomentar a saúde social. Segundo o economista James J. Heckman, da Universidade de Chicago, vencedor do prêmio Nobel de Economia no ano de 2000, investir na primeira infância é o caminho mais lógico para reduzir déficits e fortalecer a economia. Neste contexto, a saúde integral é um dos aspectos desse desenvolvimento, sendo a puericultura uma subespecialidade da medicina que envolve o estudo do desenvolvimento global da criança, desde seu aspecto físico, neurológico, psicossocial e emocional, além de aspectos ambientais e de saúde pública.  “Na verdade, trata-se não só de uma ciência médica como também de uma arte de cuidar de maneira integrativa da criança”, ilustra Victor Nudelman, pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein.

Créditos: Istock

Victor Nudelman: “Recomenda-se a primeira consulta próxima a alta do berçário, um retorno em 7 a 10 dias para reavaliação do ganho de peso e daí uma vez ao mês até os seis meses”.

“Para ser desenvolvida em sua plenitude o médico que pratica a puericultura deve conhecer e compreender a criança em seu ambiente familiar e social, além de suas relações e interação com o contexto socioeconômico, histórico, político e cultural em que está inserida.”
Segundo o pediatra, é assim que devemos pensar em um um entendimento global da criança ou a abordagem integrativa de seu cuidado. “A consulta de puericultura não envolve somente averiguar se a criança ganha peso e cresce dentro do esperado para sua faixa etária. Na consulta aborda-se desde a alimentação e todos seus aspectos, a estimulação neuropsíquica, o ambiente físico onde a criança é criada, o sono, a interação com os pais e irmãos, o desempenho na escola, as vacinas e outras medidas preventivas, as dificuldades econômicas e seu impacto na prevenção de doenças, como as vacinas e apoio multiprofissional. A conduta recomendada aos pais não pode estar dissociada do contexto em que vive a família, para que os pais tornem-as factíveis para a criança”, descreve o médico. A experiência “TeleBaby Care” Uma das experiências de cuidado integral e atenção às famílias recém-nascidas é o Tele Baby Care, serviço oferecido pelo Hospital Israelita Albert Einstein por meio da telemedicina, assistência de saúde à distância, conforme explica Eduardo Cordioli – gerente médico do Serviço de Telemedicina do Hospital:  “usamos de meios tecnológicos para fazer orientação pela internet, através de videoconferência ou aplicativos. Existem duas modalidades: síncrona – quando a comunicação entre o paciente ou outro profissional de saúde e o teleconsultor ocorre em tempo real e assíncrona – quando o paciente ou outro profissional de saúde solicita uma opinião, e esta opinião é feita após um determinado tempo”. Depois do parto, ao voltar para casa, muitos pais e mães deparam-se com dúvidas nunca antes pensadas e precisam de apoio.  O TeleBaby Care consiste em uma consulta de enfermagem realizada por telepresença,  entre a mãe e uma enfermeira especializada, com hora marcada, ao vivo, mas de maneira que a mãe não precise sair de casa, de forma individualizada e sigilosa. “Nesta consulta pode-se tirar todas as dúvidas, compartilhar angústias, conceitos e opiniões e até aprender cuidados recomendados, tendo a oportunidade de realizá-los sob supervisão. Neste contato fortalecemos o vínculo de confiança nas ações de cuidar”, explica a coordenadora de enfermagem do Einstein, Pryscila Bernardo Kiehl.

Créditos: Istock

A conduta recomendada aos pais não pode estar dissociada do contexto em que vive a família, para que os pais tornem-as factíveis para a criança.

Ela explicou ao Catraquinha que, geralmente esta consulta ocorre nas primeiras semanas pós-parto. “A chegada de um bebê traz consigo muitas mudanças, impactos e desafios que podem acarretar um desgaste físico e psicológico. Tudo isto pode ser amplamente minimizado com apoio, informações claras e direcionadas” A amamentação, segundo ela, é o motivo campeão de dúvidas e pedidos de socorro. Pensando que, no Brasil as maioria das mulheres são passam os cinco meses de amamentação exclusiva, serviços como esse, podem ter ótimos resultados. “Com o TeleBaby Care a mãe pode amamentar o bebê nossa frente avaliamos a mamada, o posicionamento do bebê, a pega correta, o tempo de sucção e,  caso seja preciso,  podemos ajudá-la na massagem e na ordenha manual da mama”, finaliza a enfermeira. Fonte: Catraca Livre

Deixe seu comentário