Ajudar as crianças a reconhecerem e lidarem com os próprios sentimentos é uma tarefa fundamental para um desenvolvimento emocional saudável. Nesse sentido, manter um diário de emoções é uma ferramenta que ajuda muito, além de ser bem simples de fazer. De acordo com informações do site Criando com Apego, o diário ajuda a refletir sobre os próprios estados emocionais e desenvolver habilidades que permitam o autoconhecimento. É uma atividade indicada para crianças “que tenham problemas de conduta e não sabem expressar o que sentem”.
Créditos: iStock Reconhecer sentimentos contribui para uma boa saúde emocional da criança
E montar esse diário é simples: tudo o que a criança precisa é de um caderno ou diário, lápis, lápis de cor, canetinhas e borracha. Recomenda-se que a prática seja incentivada aos pequenos a partir de oito anos, que já dominam a leitura e a escrita. Para começar, o artigo de Criando com Apego aconselha os pais a apresentarem as sete emoções principais para a criança – alegria, amor, medo, raiva, surpresa, frustração e tristeza. Pode ser que ela não compreenda esses sentimentos em um primeiro momento, mas vai refletir sobre eles melhor com o passar do tempo.

Créditos: iStock

Diário de emoções ajuda a registrar sentimentos do dia a dia

Depois, com isso em mente, ela deve decorar seu diário como quiser: fazendo uma capa, enfeitando seu interior e dando a sua cara ao seu caderninho, o que, por si só, já traduz muito da expressão da criança. A partir daí, diariamente, ela pode ser convidada a escrever sobre o seu dia e seus sentimentos em seu diário. Para ajudar, você pode propor perguntas como: O que aconteceu hoje e como você se sentiu? Por que se sentiu assim? Como manifestou o que sentiu? A emoção ajudou? A publicação lembra que o diário deve ser da criança, e que o adulto deve participar apenas de forma oral: “Deixe a criança expressar por escrito o que sente e não, por isso, ter que mostrar o que escreveu pra ninguém. Afinal, devemos respeitar a privacidade da criança”. Leia na íntegra aqui. Fonte: Catraca Livre

Deixe seu comentário